O que faz um vigilante epidemiológico?

O que faz um vigilante epidemiológico?

Com o surgimento da pandemia COVID-19 em 2020, percebemos a importância de quase todo o arsenal de saúde coletiva e ferramentas epidemiológicas, tanto para a compreensão desse fenômeno quanto para saber como superá-lo. 

Certos conceitos, como sensibilidade, especificidade, epidemia, endemicidade, ensaios clínicos de fase III, eficácia, risco, incidência, prevalência e mortalidade, têm sido discutidos não apenas na academia, mas também na grande mídia, e têm sido usados ​​até mesmo por aqueles que eles são. fora da zona de saúde. 

O que faz um vigilante epidemiológico?

No entanto, um assunto tão importante, que custa caro para os exames médicos, está ainda mais tímido, nos bastidores da mídia, e é a fonte de todos os dados que temos acesso. 

Mas afinal, o que é vigilância epidemiológica?

Simplificando, como o nome sugere, é o conceito de um conjunto de procedimentos que servirão para observar algo. Semelhante à profissão de cão de guarda, geralmente alguém é contratado para monitorar movimentos suspeitos na rua em busca de perigo, a vigilância serve a um propósito semelhante. 

Porém, ao invés de monitorar o risco de violência acidental na rua, ele monitora a ocorrência da doença na população, identificando anormalidades que possam indicar riscos epidemiológicos. 

Veja a seguir um conceito mais técnico retirado de Medronho (2008): “Vigilância é um processo sistemático e contínuo de coleta, análise, interpretação e disseminação de informações para recomendar e realizar ações de prevenção e controle de agravos à saúde. […] Embora o termo “vigilância epidemiológica” fosse originalmente focado em doenças infecciosas, especialmente aquelas que causam grandes epidemias, hoje o conceito se expandiu para incluir outros problemas de saúde como doenças crônicas, doenças degenerativas, acidentes e violências, fatores de risco e riscos ambientais ”. O processo de vigilância de doenças é tão relevante que até a Constituição Federal de 1988 estabelece essa ação como uma das principais atribuições do sistema de saúde, conforme descrito a seguir: “Art. 200. Atende ao Sistema Único de Saúde, além das demais atribuições que a lei lhe confere: […] II – exercer a fiscalização sanitária e epidemiológica, bem como da saúde dos trabalhadores; “

Por que a vigilância epidemiológica é importante?

Somente com essa estratégia poderemos ter acesso às informações de saúde da população para gerenciar a destinação de esforços e recursos, tanto públicos (por exemplo, no SUS) quanto privados (planos de saúde, indicadores hospitalares etc.). 

Veja abaixo alguns dos alvos de vigilância adaptados de Medronho (2008). Para cada meta, fornecemos exemplos de como essas ações foram realizadas durante a pandemia. – Identificação e descrição do comportamento epidemiológico das doenças (acompanhamento de tendências, identificação de grupos e fatores de risco); Por exemplo: uma descrição do aumento e diminuição da incidência de COVID-19, a identificação da 2ª onda. – Identificar epidemias e descrever o processo de sua disseminação; Por exemplo: certifique-se de que não há casos relatados de SARS-COV-2 e sua ocorrência em Wuhan, China. – Avaliar o impacto da doença na mortalidade e incapacidade da população; Por exemplo: uma descrição das taxas de mortalidade, tempo de internação, tempo de incubação e tempo de transmissão da doença. – recomendar a adoção oportuna de medidas de prevenção ou controle de agravos à saúde; Por exemplo: recomendar o aumento do número de leitos hospitalares e unidades de terapia intensiva conforme a evolução da doença na população. – Avalie o impacto das intervenções. Por exemplo: avaliar a incidência de COVID-19 após mascaramento e medidas de distanciamento social. 

Portanto, tenha em mente que a vigilância é simplesmente responsável por coletar todos os dados que darão suporte a toda a epidemiologia. Somente o monitoramento constante da saúde da população pode fornecer informações que embasam todas as decisões no campo da saúde.

Então, como a vigilância é feita?

O principal elemento da vigilância epidemiológica são os sistemas de informação e a forma como são alimentados. Talvez, como estudante de medicina ou estudante de medicina, você esteja tão acostumado a realizar certos procedimentos exigidos que não percebe que está alimentando esses sistemas de informação. Por exemplo: 

(a) Uma certidão de nascimento de uma criança viva é emitida no nascimento; 

(b) Quando o paciente morre, o atestado de óbito é preenchido; 

(c) Quando o paciente é internado no hospital, é emitida uma autorização de internação (AIH); 

(d) Na ocorrência de uma doença de notificação obrigatória, um formulário de notificação individual é preenchido. 

Todos esses documentos serão destinados a organismos e sistemas específicos para o monitoramento dessas estatísticas, a saber: 

  • Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC); 
  • Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM); 
  • Sistema de Informações Hospitalares (SIH / SUS); 
  • Informações de Agravos de Notificação. Sistema (SINAN). 

Respectivamente esses quatro sistemas, embora não sejam os únicos, são os mais importantes para a vigilância epidemiológica no Brasil. Além disso, quando surgem situações excepcionais, como a pandemia COVID-19, são utilizados novos sistemas, como os criados pelos governos estaduais, que, em especial, controlam o número de respiradores hospitalares.

Notificação obrigatória

Um dos itens mais importantes da vigilância epidemiológica é a notificação de agravos e agravos de notificação compulsória; é também uma das evidências mais solicitadas. Essas doenças e lesões são, em essência, uma lista de agravos considerados de interesse público pelos responsáveis ​​pela vigilância, de acordo com critérios pré-determinados. 

Em geral, os critérios para as condições a serem relatadas são os seguintes: – Abrangência: doenças que afetam fortemente a mortalidade ou afetam a expectativa de vida; – Propagação potencial: doenças altamente contagiosas ou entre populações altamente suscetíveis que podem levar a epidemias; – Transcendência: percepção social (por exemplo, medo ou estigmatização) e econômica da doença; – Obrigações internacionais: acordos entre o governo brasileiro e organismos internacionais visando a eliminação ou erradicação de doenças; – Epidemias e eventos inusitados: situações que podem caracterizar emergências de saúde. 

Nem todas as doenças atendem a todos os critérios de inclusão na lista de notificação, mas geralmente é suficiente para preencher alguns deles. Para facilitar ao público a notificação de doenças, a lista é atualizada periodicamente, aproximadamente a cada 2 ou 3 anos, com novas condições a serem notificadas.

Interessado na área? Confira o curso na área de Vigilância Epidemiológica!

Continue lendo nosso site!